Criar um Site Grátis Fantástico
Translate to English Translate to Spanish Translate to French Translate to German Translate to Italian Translate to Russian Translate to Chinese Translate to Japanese
INQUÉRITO
DO QUE GOSTOU MAIS?
Fotos
Canções
Videos
Poesia
Textos
Projectos escolares
Tema religião
Tema mitologia
Ver Resultados

  • Currently 2.48/5

Rating: 2.5/5 (1315 votos)




ONLINE
1





Partilhe esta Página



BENVINDO

WELCOME

BIENVENU

WILLKOMMEN

BIENVENIDO

benvenuto

välkommen

bine ai venit

ترحيب

ברוך הבא

आपका स्वागत है

歡迎

καλωσόρισμα

добро пожаловать

ยินดีต้อนรับ

환영

kuwakaribisha

歓迎

ողջույն

selamat datang

நல்வரவு

 

 

 

 SOBRE MIM

     O meu nome é carlos manuel, sou professor, autor, compositor, colecionador de instrumentos musicais de todo o mundo e viajante sempre desejoso de ir mais longe. Gosto de viajar dentro de mim, em busca de novos lugares de inspiração e criatividade. Gosto de viajar na musica, na beleza das palavras e dos sons. Gosto de fazer música para quem nela quiser viajar.

 

VER TAMBÉM

www.vozetnica.blogspot.com

 

 MUSEU

     A instalação de um museu, onde possa ter exposta, de forma permanente, a minha coleção de instrumentos étnicos de todo o mundo, é um desejo só possível com ajuda jurídica e financeira. Para quem puder, e quiser ajudar, por favor contacte-me para o meu email carlosmanuel.sp@gmail.com Obrigado.

 

 

PUBLICIDADE

    No sentido de proporcionar receitas para a instalação do museu, é possível também a colocação de publicidade neste site. A eventuais interessados deixo o meu contacto de email: carlosmanuel.sp@gmail.com

Adufe genial da Catarina Anes, para Projeto Escolar Duff e Adufe, ano letivo 2015/16. Trabalho realizado pela Catarina com o seu pai e mãe. Muito obrigado. Clique no slideshow e aceda à página Duff e Adufe.

Projeto Escolar Duff e Adufe. Adufe pavão do professor, feito em caixa de pizza e cartolinas. Mais fotos, canções e vídeos em janela EDUCAÇÃO, item Duff e Adufe

 

cartaxo da Catarina Anes e do pai

Cartaxo da Catarina Anes, 5ºF e do pai, para projeto escolar cartaxos, ano letivo 2014/2015. Ver fotos e canções em item Educação/Cartaxos. Este trabalho obteve o 1º lugar no concurso de cartaxos.

Painel de cartaxos de João Henriques e família

Painel de cartaxos de João Henriques e família para a exposição escolar 2014/2015. Ver fotos e canções em item Educação/Cartaxos. Este trabalho obteve o 2º lugar no concurso de cartaxos.

Museu Virtual

Clique na imagem e aceda a link

cartaxos do João Henriques, do pai e da mãe

Cartaxo do João Henriques, do pai e da mãe. Projeto escolar 2014/2015 "Cartaxos". Ver fotos e canções em janela Educação, item cartaxos.

 

cartaxos bruxa

Cartaxos bruxa do professor. Mais fotos e canções em janela Educação, item Cartaxos.

 

Mobile sonoro

Mobile sonoro vencedor do concurso escolar. Feito por alunos e monitores da Cercimor. Do aluno Pedro do 5º ano. Mais fotos, video e canções, no item EDUCAÇÃO, mobiles sonoros.

Mobile sonoro

 

fundaçãocmcm

Clique na imagem e aceda a link

 

Chincalhos

Chincalhos. Feitos por alunas de 5º ano e famílias para a exposição na escola. Estes chincalhos inspiraram canções ao professor, que foram trabalhadas nas aulas, com flautas e instrumental Orff, gravadas e filmadas. Mais fotos e canções no item EDUCAÇÃO, canções dos instrumentos.

Chincalhos

Clique na imagem para ir a:

CMSerProfessor

 

Mobile sonoro

Mobile sonoro feito por aluna do 5º ano e a avó. Inspirou a canção Búzios, que se pode ouvir no item EDUCAÇÃO, mobiles sonoros.

 

carlosnetmood

Clique na imagem para aceder a link

 

Maraca

Maraca gato branco. Feito por aluna do 5º ano e família. Canção inspirada neste instrumento no item EDUCAÇAO, canções dos instrumentos.

 

Mobile sonoro

Mobile sonoro de canas coloridas. Feito por aluna do 5º ano e monitora da oficina da criança. Inspirou a canção Canavial, em item EDUCAÇÃO, mobiles sonoros.

 

pinto a manta

Clique na imagem para aceder a link

 

Reco-reco

Reco-reco galo. Feito por aluno do 5º ano e família para exposição escolar. Inspirou a canção Um regalo, que se encontra no item EDUCAÇÃO, canções dos instrumentos.

 

Reco-reco

Reco-reco peixe. Colaboração de aluna de 5º ano para a exposição na semana de educação musical. O instrumento foi construído por um senhor amigo da família, no Escoural. Inspirou canção, que se encontra no item EDUCAÇÃO, canções dos instrumentos.

 

Cartaxo

Cartaxo. Instrumento de cana, utilizado nos ranchos folclóricos. Oferecido por aluno. Tema para a exposição escolar deste ano letivo 2014/15. Ver fotos e canções no item CARTAXOS.

 

Natureza sonora

Natureza sonora. Projeto escolar. Mais fotos e canções em item EDUCAÇÃO, natureza sonora.

 

Mobile sonoro

Mobile sonoro com aproveitamento de tampas de garrafas e algumas conchas. Colaboração para a exposição escolar de aluno de 5º ano e família. Inspirou a canção Tampinha, trabalhada na aula com vozes, flautas e Orff.

 

Tréculas

 Tréculas. Idiofone tradicional português. Este instrumento foi feito pelo pai de uma aluna de 6º ano para a exposição da escola subordinada ao tema "instrumentos tradicionais". Inspirou uma canção, que a turma trabalhou com vozes, flautas e Orff. Mais fotos e canções em item EDUCAÇÃO, canções dos instrumentos.

 

          

  

 

                 

 

 Ronca de Elvas

 Ronca de Elvas. Mais fotos em MUSEU e EXPOSIÇÃO. Veja também o video no atelier do autor das roncas, Luis Pedras, em OUTRAS ARTES, roncas de Elvas.
         
 

 
         
    
Cordofones e idiofones da minha coleção. Mais fotos em item MUSEU e EXPOSIÇÃO.

 
 
            

     

 

 

 

Mobiles sonoros

 Mobiles sonoros. Mais fotos, videos e canções em item EDUCAÇÃO, mobiles sonoros.

 

 

        

 

 

                

 

 

Na sala de aula

 

 

 

 

 

               

 

 

 

 

 

 

 

          

 

 

                     

 

 

 

 

 

 

 

             

 

 

 

 

                      

       

 

      

 

 

 

      

 

 

            

 

        

 

 

 

 

          

 

 

 

 

 

 

                       

 

 

 

 

 

                  

 

 

 

                  

 

 

 

          

 

 

 

                

 


cordofones
cordofones


 

COBZA

O nome Roménia

vem de Roma

imperador Trajano

derrotou os Dácios

isso é uma certeza

um músico cigano

trouxe a cobza

dizem os livros teus

e o teu lema

nihil sine deo

ou nada sem Deus

 

cobza

lindo como os Cárpatos

de neve

cobzar

toca, molha meus olhos

ao de leve

 

instrumento antigo

pintado nas paredes

de nobres mosteiros

velhos lautari, cancioneiros

cantar é muito bom

igreja fortificada

lá na Transilvânia

que é romena

pelo tratado de Trianon

 

cobza...

 

Danúbio a correr

para o mar negro

escuta meu cobza e dança

Bucareste, Craiova, Constant(s)a

em Alba o sorriso

de uma criânça

chega até mim

no som da cobza

a canção

que nunca tem fim

 

cobza...

 

REBAB INDONÉSIO

Parecido ao coração

forrado a veludo

sempre à volta tem lindezas

 

na orquestra gamelan

ele nunca fica mudo

toca livre com as suas certezas

 

ornamenta a melodia

e roda no chão

roda no chão

para o arco tocar outra corda

 

outra hora chega a hora

de tong seng solo

estátua do demónio bom

que afasta a dor

 

cinta quer dizer amor

 

HARPA

Cântico de louvor, oração

anjos e princesas, celebração

castelos e deusas

perdidos no tempo

guardados no coração

 

no arco de caça

corda tinha som

no vaso Sumério

harpa belo tom

 

gótica, céltica

espanhola

jograis, menestréis

nobreza a seus pés

pintura de harpas na tumba do faraó

Ramsés

 

tua delicadeza, mágica

de grande beleza plástica

hebreus, babilónios

mesopotâmios

a história é trágica

 

uma casa real

está incompleta

sem tua presença

harpa predileta

 

raínha Elisabete

da Roménia

raínha Maria Antonieta

de França

na tradição judaico-cristã o rei David

toca harpa.

 

PENTING

Sua origem permanece

em discussão

instrumento único

de Bali

como o luwak kopi

como Ketut

que leu a palma

da minha mão

 

dança Legong, selamat datang

Gabor, Taruna Jaya

as meninas dançam com os olhos

dançam com os dedos das mãos

 

Kecak Ramayana

e a dança do fogo

os homens cantam

sentados no chão

cantam sem parar

aos espíritos do mar

 

na era colonial

Nigeraja Kuning

em honra da raínha

se ouviram penting

 

era coisa oficial

a parada cultural

e esta paixão minha

sem fim

 

dança Legong, selamat datang

Gabor, Taruna Jaya

as meninas dançam com os olhos

dançam com os dedos das mãos

 

Kecak Ramayana

e a dança do fogo

os homens cantam

sentados no chão

cantam sem parar

aos espíritos do mar.

 

MÚSICA DE PENTING

 

KHALAM/ NGONI

Aquele que toca khalam

khalamkat

canto de louvor

Niger griot

 

caixa oval, pele de gado

fio de pesca, no fio de couro

para afinar

 

Mali, Gâmbia, Senegal

Burkina Faso, Mauritânia

Saara Ocidental

 

o nome wolof

a língua wolof

ndaga show

eu também vou

 

África é uma surpresa

em cada por do sol

em cada aurora

África é uma tristeza

na hora de partir

ir embora

 

pessoas ngoni

o ngoni instrumento

nas canções fasa

em mandingo

 

kamale ngoni

harpa do jovem

na música popular

wassoulou

 

do Mali

Bassekou Kouyate e ngoni ba

Bamako

no Mali

ponto de encontro do futuro lá

não me perco.

 

PIPA

Rajada de chuva repentina

murmúrio de vozes suplicantes

pérolas caindo num prato de jade

nos dedos ligeiros da menina

Liu Fang em concertos delirantes

música chinesa da antiguidade

 

"branca neve primaveril"

"emboscada de todos os lados"

"o conquistador tira a armadura"

retratos da angústia de batalhas

do passado

 

pipa Hu, pipa estrangeira

pipa Tang, pipa colorida

pipa Qin, pipa verdadeira

pipa resumo da vida

 

o teu nome pipa deriva da técnica

de tocar com os dedos pra frente e pra trás

o comprimento 3 pés 5 polegadas

representa os três reinos, céu, terra, homem

os cinco elementos, água, fogo, ar, madeira e metal

quatro cordas são as quatro estações

 

quando o povo sofria

por ser forçado a trabalhar

na grande muralha, para o imperador

tocavam a pipa para expressar

o seu grande ressentimento

e a sua dor

 

pipa Hu, pipa estrangeira

pipa Tang, pipa colorida

pipa Qin, pipa verdadeira

pipa resumo da vida

 

a narrativa tradicional chinesa

refere a história de uma bela princesa

que foi enviada a um rei bárbaro para casar

a pipa foi criada para que a senhora

sentada sobre o cavalo, ao ir embora

acalmasse seus anseios a tocar.

 

ALAÚDE

Alaúde meu que evoca

a paisagem do teu rosto

na sombra do chador

o céu é isso que me toca

só o fim não tem oposto

o bom pode ser melhor

 

a tua forma de gota de água

pingo de suor do médio oriente

antiga civilização, mágoa crescente

Hitita, Grega, Arménia, Gandaresa

Turca, Egípcia, Romana

na Palestina toca Nizar Rohana

no Yemen toca Abu Baker Salem

no Irão toca Hossein Behroozinia

 

alaúde meu que evoca

os olhos de Xerazade

histórias de encantar

sairam de sua boca

Umm al-Qura, mãe cidade

mesquita azul, areia e mar

 

al-ud quer dizer madeira fina

a corda simples é a chanterelle

pintura no teto da capela palatina

quadro de Caravaggio com alaúde

chamamento pra rezar

no Kuwait toca Rashid Al Hameli

no Sudão toca Mustafa Said Ahmed

na Arábia Saudita toca Abadi al-Johar

 

alaúde meu que lindo

arabesco, galabiya

muqama arte tão bela

o deserto vai fugindo

do Nilo, da alegria

e do vinho da donzela.

Com alaúde

 

 

YUEQIN

Alaúde lua

noite sem luar

luzes de Xangai

graciosas curvas nos beirais

 

seda entrançada

jardim do dragão

a pedra de jade

a caligrafia, tua mão

 

um milhão de corajosos guerreiros

atravessam o rio Yangtzé

a música de yueqin não tem pé

não tem fundo

é o centro do mundo

 

festival das lanternas

deserto de Góbi

muralha da China

construída por Shi Huangdi

 

cidade proibída

dinastia Tang

o templo do céu

ópera de Beijing, Feng Shaoxian.

 

 

LIRA

A lira é uma menina elegante

de voz doce

encantadora de flores

estrelas e pontos cardeais

o vento conduz as nuvens

para o canto da lira

se a lira não canta

chove

 

os anjos tocam a lira

sempre que estão felizes

isso acontece sempre que na terra

alguêm sorri para alguêm

sorri para o mar

inventa sereias

cores nos corais

se a lira não canta

sonha

 

a lira chegou à Grécia

vinda da Trácia ou da Lídia

na mitologia seus mestres

são Orfeu, Museu e Tamiris

segundo a lenda, a lira

foi inventada por Hermes

se a lira não canta

chora

 

a lira da antiguidade clássica

era feita de chifre de cabra

casca de tartaruga, está na pintura

lira Cretense, lira de Ponto

e de Constantinopla

se a lira não canta

morre.

 

 

CAMPANIÇA

Companheira de folia

no polegar a melodia

de noite adormece a lua

sonha o luar na minha rua

 

acompanha o passarinho

quando o sol se levanta

o Alentejo me encanta

com o seu cante certinho

 

Castro Verde, Odemira

ao despique, ao baldão

alegria não expira

no final da canção

 

campo branco, eu sou teu

tu és meu, és o meu chão

"diz a laranja ao limão"

não há doce como o meu

 

"indo eu por i abaixo"

tão contente para o balho

estou cansado do trabalho

meu amor, mas não te deixo

 

Beja, torre de menagem

evocando alguma dor

esquecida na paisagem

no peito do meu amor.

 

 

SALTÉRIO

Psalterium

instrumento antigo

em forma de asa

em forma de asa de anjo

o céu não esconde brasa

nem castigo

nem desejo

 

rosácea ao centro

influência da arquitetura

gótica

o que é que tem dentro

caminhos marítimos, aventura

exótica

a forma triangular

um arco pra mostrar

essa alegria melódica

 

psanterin

palavra aramaica

não te deu origem

é o que alguns por aí dizem

na língua de Cristo

não existo

não existo

 

rosácea ao centro

influência da arquitetura

gótica

o que é que tem dentro

caminhos marítimos, aventura

exótica

a forma triangular

um arco pra mostrar

essa alegria melódica

 

psalterion

pra grego traduzido

na literatura

do antigo testamento perdido

corpo de navio, madeira dura

música de encantamento

 

rosácea ao centro

influência da arquitetura

gótica

o que é que tem dentro

caminhos marítimos, aventura

exótica

a forma triangular

um arco pra mostrar

essa alegria melódica.

 

 

LOUTAR

Alaúde berber

guitarra marroquina

em forma de lágrima

que atravessa o Atlas

Anti-Atlas

e me anima

 

izlan, a canção de amor

tmawait, grito emocional

tameryazt, poesia cantada

ahidus, celebração coletiva

 

loutar

corpo de madeira escavada

a música nómada

música na madrugada

na praça jma el fnaa

como ali não há

 

chá de hortelã

ao raiar da manhã

perfume na boca

deserto de pedra

de areia

não sufoca

 

tamazigh, pessoa livre

tamazigh, pessoa livre

tamazigh, pessoa livre

tamazigh, pessoa livre

 

loutar

corpo de madeira escavada

a música nómada

música na madrugada

na praça jma el fnaa

como ali não há.

 

 

BANDOLIM

Em italiano mandolim

instrumento

em italiano mandorla

é amêndoa

raiz da palavra

deu o nome ao instrumento

 

miniatura de alaúde

que surgiu no século quinze

com o nome mandola

esse teu som me consola

 

mandolino milanês

bandolim napolitano

em Itália, ai de mim

cada terra com seu género

de bandolim

 

rapto de sabina

capela sistina

em Roma coliseu

fonte de trevi

 

praça de Siena

a torre de pisa

e um céu azul

que alma precisa

em ti

 

barroco Bernini

Leonardo Davinci

o David esculpido

Miguel Ângelo

 

ruas de Veneza

máscara beleza

Pietá, Maria com Jesus morto

ao colo

 

no Brasil toca no choro

e nas serestas

em Portugal estudantes

tocam nas tunas

na América bluegrass

bandolim orquestras.

 

 

DRAMYIN

Tradicional dos Himalaias

dupla cintura

pintados ou esculpidos

com simbolos religiosos

 

dramyin cham

associado a uma divindade

guardiã

os monges drukpa

usam nos festivais tsechus

proibídos no Tibete

feitos no Bhutão

 

último shangri-la

ninho do tigre

mosteiro taktshang goemba

leopardo nebuloso

thimphu

punakha dzong

 

as janelas e os telhados

em madeira são trabalhados

dança de máscara

felicidade

canção zhungdra.

 

 

TOEIRA

Vem da beira litoral

tem uma boca oval

cavalete trabalhado

com motivos florais

 

corpo feito de pau-santo

Coimbra todo o encanto

o Mondego e o fado

desaguam nos meus ais

 

mãe-de-pérola, um botão

na toeira minha mão

fala de amores e intrigas

repúblicas, latadas

 

que segredos guarda a lua

passos perdidos na rua

choram tristes raparigas

que nunca foram beijadas

 

raínha santa Isabel

padroeira da cidade

a mata triste do choupal

o penedo da saudade

 

cidade de ruas estreitas

de pátios e escadinhas

de arcos medievais

pedras nunca estão sózinhas

 

serenata de estudante

Portugal dos pequeninos

toeira de tempo errante

sentinela de destinos

 

ponte de Pedro e Inês

o jardim da sereia

conímbriga e o que não vês

mouros chamaram-te Kulumriyya.

 

 

TAMBUR

Tambur otomano

da música clássica

tocado com os dedos o mizrapli

tocado com o arco o yayli

o tocador é o tamburi

 

dizem que nasceu

do sumério pantur

os textos hititas

falam na tibula

 

damasco

noz persa

meca bálsamo

 

amora

zimbro grego

castanheiro espanhol

 

mogno

chama de bordo

jacarandá indiano

 

tambur otomano

da música clássica

concha de madeira em tiras

a que lhe dão o nome de tekne

fileto de ornamentação

 

braço do tambur

chama-se sap

a palheta baga

casca de tartaruga

 

damasco

noz persa

meca bálsamo

 

amora

zimbro grego

castanheiro espanhol

mogno

chama de bordo

jacarandá indiano.

 

 

SAPEH

Alaúde barco

esculpido de um tronco

madeira macia, meranti

as ilhas em arco

Borneo, tudo e tão pouco

um céu como eu nunca vi

 

Orang Ulu

a pele de bronze

do povo que vive rio acima

povo que entra em transe

povo que se anima

música ritual de sapeh

 

inspirada em sonhos

Malásia, Sarawak

as tribos Kenyah Kayan

sapeh com desenhos

canção de aldeia, Kelewah

duetos da manhã

 

a dança musuh

dança de combate

dois homens com escudo e espada

dança em linha e ngajat

corda solta beliscada

uchau bilong toca bem

 

as cordas do sapeh

feitas da árvore do sago

só no passado resta

só na história

mundo não tem aresta

coração é um bago

minha asa da memória.

 

 

SAROD

Som bonito

a tua origem perde-se

na Ásia Central

chão infinito

Agra, Taj Mahal

arquitetura mughal

 

música clássica hindustani

duas cordas chikari

as gharanas

 

som bonito

o teu microtonalismo

no meu glissando

braço sem atrito

alma pura cantando

sobre o puro aço

 

nesse teu belo som introspetivo

everything is everywhere

quando tu amas

 

som bonito

da corte do marajá

ao sarod atual

Amjad Ali Khan

o céu musical

inventou Krishna

 

as pessoas dizem bravo

do sarod é o príncipe

e único rei

 

mas, do sarod só podes ser escravo

 

som bonito

o teu microtonalismo

no meu glissando.

 

UKELELE

Ukulele

ukelele

pulga saltitante

uke, uke

flea, fluke

plástico no fundo

música havaiana

em todo o mundo

 

a raínha Liliuokalani

último monarca do Havai

chamou-lhe o dom que veio aqui

 

emigrantes madeirenses, gerações

foram trabalhar nas plantações

de cana-de-açúcar

 

com rajão e machete a tocar

faziam concertos de rua

para o povo e para a lua

 

ukulele

ukelele

em forma d'abacaxi

uke, uke

de acácia

de acácia koa

música havaiana

música boa

 

a raínha Liliuokalani

último monarca do Havai

chamou-lhe o dom que veio aqui

 

pode ter reentrante afinação

quarta corda mais aguda

que a terceira, e porque não.

 

 

SANTUR

Zorba o grego

tocava santur

é o que diz o romance

história de amor

sem literatura não existem heróis

o aço e o bronze

Mezrab depois

 

música de ferro

do teu corpo vem

todos os Radif sem nenhuma idade

estátua sem nome

não representa ninguém

o lendário mestre Hassan Saba Ostad

 

dulcimer

trapézio

madeira exótica

dezoito kharak

pontes decifradas, beiras, bordas

santur são cem cordas.

 

 

CAVAQUINHO

Toque rasgado

a minha rusga não acaba

em flor de cerejeira

os Biscainhos

gente fina que tocava

canas-verdes, machimbo

 

o cavaquinho

é de Lisboa e é do Minho

é brasileiro

é do malhão

da congada paulista

é verdadeiro

 

boca de raia

a minha festa não acaba

com o peixe fora de água

em Cabo Verde

tem morna, tem coladera

funana em Ponta Preta

 

o cavaquinho

é de Lisboa e é do Minho

é brasileiro

é do malhão

da congada paulista

é verdadeiro

 

o cavaquinho

viajou nas caravelas

e chegou onde deu pé

e no Hawai

nos mistérios da lua

ukelele

 

o cavaquinho

é de Lisboa e é do Minho

é brasileiro

é do malhão 

da congada paulista

é verdadeiro.

 

HARPA NEGRA, MINHA KORA

Harpa negra, minha kora

som de África, rainha

de Teranga o leão

harpa negra, sedutora

posso eu dizer que és minha

a meu pobre coração

 

na watoto hawajambo

e as crianças estão bem

o Sahel, mulher bela de ninguém

cidade santa de Touba

Senegâmbia, sol ardente

harpa negra, pé descalço, minha gente

 

ostinato é kumbengo

improviso birimintingo

tocados ao mesmo tempo

com polegar, indicador

 

Toumani Diabaté

de pai para filho, Jali

Guiné-Bissau, Gâmbia, Mali

no coração da lua, amor

 

kora no hino nacional

kora é peregrinação

kora é tribo banjara

kora é espada no Nepal

kora é vila no Japão

kora é deusa grega Persefone

 

harpa negra, Senegal

negra mão que te arpeja

rio da esperança

harpa negra, o bem o mal

o amor de quem te beija

tua somo la kwanza

 

no teu corpo de navio

o canto do vento e do mar

no cais que pretendes alcançar

melodia das estrelas

meia-noite, vagabundo

harpa negra, minha kora, o meu mundo

 

ostinato é kumbengo

improviso birimintingo

tocados ao mesmo tempo

com polegar, indicador

 

Toumani Diabaté

de pai para filho, Jali

Guiné-Bissau, Gâmbia, Mali

no coração da lua, amor.

 

 

GHAYCHAK

 

Lembra uma âncora ao contrário

silêncio de sonho e musicaquário

 

afinado em quartas perfeitas no Irão

afinado com meu coração

 

escavado de um tronco apricot tree

beleza como eu nunca vi

 

na Pérsia, e também no Afeganistão

embelezado pela tua mão

 

uzbeks, turkmers, uyghurs e tajiks

música da alma não tem truques

 

tocado com arco sempre na vertical

braço curto, som bonito, som nasal.

 

DITA

(LIRA ETÍOPE)

 

Na cultura etíope

respeito pelos mais velhos

respeitar é muito bom

cada grupo étnico

está sempre associado a um som

 

Refrão

rainha de Sabá

trovadores populares

azmari que tem lá

algum instrumento

remonta à época

do Antigo Testamento

 

dita, lira etíope

lira que tem cinco cordas

mesopotâmico passado

para entreter o menino

na hora em que vai ser circuncidado

 

Refrão

 

o timbre depende

da técnica de execução

pulsada ou percutida

com varinha de condão

os velhos cantam as histórias de sua vida

 

Refrão

 

carapaça de tartaruga

toda coberta de pele

ai os meus olhos enxuga

me afasta de perigos

música religiosa com elementos cristãos antigos

 

rainha de Sabá

trovadores populares

azmari que tem lá.

 

VIOLA CAIPIRA

Música raiz, moda de viola

repentista nordestino não tem escola

tem a simpatia da cobra coral

o Diabo é o maior violeiro, não faz mal

não vai pró inferno quem sabe tocar bem

afina rio abaixo como convém

 

folia de reis é preciso

ai Bruna Viola primeiro

diz a lenda que o poder do guizo 

quebra corda ao outro violeiro

 

descende das violas dos portugueses

jesuítas usaram nas catequeses

e esse caboclo com a viola chorosa

afinação é cebolão, coisa curiosa

porque as mulheres choram como quem corta cebola

tão emocionadas com o som da viola

 

SUNG

Parece à primeira vista

um instrumento para crianças

ou agradar a turista

 

tampo em pele de cobra

plectro preso à caixa de ressonância

imaginação de sobra

 

norte da Tailândia

Chiang Mai, Chiang Rai

onde o sorriso sai

o sol explodia

Buda esmeralda

minha alegria escalda

 

sung afina diferente

se é pra tocar apenas a solo

ou em conjunto com mais gente

 

instrumento parecido

tem no Tibete e no Japão

o mundo é tão divertido