Criar um Site Grátis Fantástico
Translate to English Translate to Spanish Translate to French Translate to German Translate to Italian Translate to Russian Translate to Chinese Translate to Japanese
INQUÉRITO
DO QUE GOSTOU MAIS?
Fotos
Canções
Videos
Poesia
Textos
Projectos escolares
Tema religião
Tema mitologia
Ver Resultados

  • Currently 2.48/5

Rating: 2.5/5 (1315 votos)




ONLINE
1





Partilhe esta Página



BENVINDO

WELCOME

BIENVENU

WILLKOMMEN

BIENVENIDO

benvenuto

välkommen

bine ai venit

ترحيب

ברוך הבא

आपका स्वागत है

歡迎

καλωσόρισμα

добро пожаловать

ยินดีต้อนรับ

환영

kuwakaribisha

歓迎

ողջույն

selamat datang

நல்வரவு

 

 

 

 SOBRE MIM

     O meu nome é carlos manuel, sou professor, autor, compositor, colecionador de instrumentos musicais de todo o mundo e viajante sempre desejoso de ir mais longe. Gosto de viajar dentro de mim, em busca de novos lugares de inspiração e criatividade. Gosto de viajar na musica, na beleza das palavras e dos sons. Gosto de fazer música para quem nela quiser viajar.

 

VER TAMBÉM

www.vozetnica.blogspot.com

 

 MUSEU

     A instalação de um museu, onde possa ter exposta, de forma permanente, a minha coleção de instrumentos étnicos de todo o mundo, é um desejo só possível com ajuda jurídica e financeira. Para quem puder, e quiser ajudar, por favor contacte-me para o meu email carlosmanuel.sp@gmail.com Obrigado.

 

 

PUBLICIDADE

    No sentido de proporcionar receitas para a instalação do museu, é possível também a colocação de publicidade neste site. A eventuais interessados deixo o meu contacto de email: carlosmanuel.sp@gmail.com

Adufe genial da Catarina Anes, para Projeto Escolar Duff e Adufe, ano letivo 2015/16. Trabalho realizado pela Catarina com o seu pai e mãe. Muito obrigado. Clique no slideshow e aceda à página Duff e Adufe.

Projeto Escolar Duff e Adufe. Adufe pavão do professor, feito em caixa de pizza e cartolinas. Mais fotos, canções e vídeos em janela EDUCAÇÃO, item Duff e Adufe

 

cartaxo da Catarina Anes e do pai

Cartaxo da Catarina Anes, 5ºF e do pai, para projeto escolar cartaxos, ano letivo 2014/2015. Ver fotos e canções em item Educação/Cartaxos. Este trabalho obteve o 1º lugar no concurso de cartaxos.

Painel de cartaxos de João Henriques e família

Painel de cartaxos de João Henriques e família para a exposição escolar 2014/2015. Ver fotos e canções em item Educação/Cartaxos. Este trabalho obteve o 2º lugar no concurso de cartaxos.

Museu Virtual

Clique na imagem e aceda a link

cartaxos do João Henriques, do pai e da mãe

Cartaxo do João Henriques, do pai e da mãe. Projeto escolar 2014/2015 "Cartaxos". Ver fotos e canções em janela Educação, item cartaxos.

 

cartaxos bruxa

Cartaxos bruxa do professor. Mais fotos e canções em janela Educação, item Cartaxos.

 

Mobile sonoro

Mobile sonoro vencedor do concurso escolar. Feito por alunos e monitores da Cercimor. Do aluno Pedro do 5º ano. Mais fotos, video e canções, no item EDUCAÇÃO, mobiles sonoros.

Mobile sonoro

 

fundaçãocmcm

Clique na imagem e aceda a link

 

Chincalhos

Chincalhos. Feitos por alunas de 5º ano e famílias para a exposição na escola. Estes chincalhos inspiraram canções ao professor, que foram trabalhadas nas aulas, com flautas e instrumental Orff, gravadas e filmadas. Mais fotos e canções no item EDUCAÇÃO, canções dos instrumentos.

Chincalhos

Clique na imagem para ir a:

CMSerProfessor

 

Mobile sonoro

Mobile sonoro feito por aluna do 5º ano e a avó. Inspirou a canção Búzios, que se pode ouvir no item EDUCAÇÃO, mobiles sonoros.

 

carlosnetmood

Clique na imagem para aceder a link

 

Maraca

Maraca gato branco. Feito por aluna do 5º ano e família. Canção inspirada neste instrumento no item EDUCAÇAO, canções dos instrumentos.

 

Mobile sonoro

Mobile sonoro de canas coloridas. Feito por aluna do 5º ano e monitora da oficina da criança. Inspirou a canção Canavial, em item EDUCAÇÃO, mobiles sonoros.

 

pinto a manta

Clique na imagem para aceder a link

 

Reco-reco

Reco-reco galo. Feito por aluno do 5º ano e família para exposição escolar. Inspirou a canção Um regalo, que se encontra no item EDUCAÇÃO, canções dos instrumentos.

 

Reco-reco

Reco-reco peixe. Colaboração de aluna de 5º ano para a exposição na semana de educação musical. O instrumento foi construído por um senhor amigo da família, no Escoural. Inspirou canção, que se encontra no item EDUCAÇÃO, canções dos instrumentos.

 

Cartaxo

Cartaxo. Instrumento de cana, utilizado nos ranchos folclóricos. Oferecido por aluno. Tema para a exposição escolar deste ano letivo 2014/15. Ver fotos e canções no item CARTAXOS.

 

Natureza sonora

Natureza sonora. Projeto escolar. Mais fotos e canções em item EDUCAÇÃO, natureza sonora.

 

Mobile sonoro

Mobile sonoro com aproveitamento de tampas de garrafas e algumas conchas. Colaboração para a exposição escolar de aluno de 5º ano e família. Inspirou a canção Tampinha, trabalhada na aula com vozes, flautas e Orff.

 

Tréculas

 Tréculas. Idiofone tradicional português. Este instrumento foi feito pelo pai de uma aluna de 6º ano para a exposição da escola subordinada ao tema "instrumentos tradicionais". Inspirou uma canção, que a turma trabalhou com vozes, flautas e Orff. Mais fotos e canções em item EDUCAÇÃO, canções dos instrumentos.

 

          

  

 

                 

 

 Ronca de Elvas

 Ronca de Elvas. Mais fotos em MUSEU e EXPOSIÇÃO. Veja também o video no atelier do autor das roncas, Luis Pedras, em OUTRAS ARTES, roncas de Elvas.
         
 

 
         
    
Cordofones e idiofones da minha coleção. Mais fotos em item MUSEU e EXPOSIÇÃO.

 
 
            

     

 

 

 

Mobiles sonoros

 Mobiles sonoros. Mais fotos, videos e canções em item EDUCAÇÃO, mobiles sonoros.

 

 

        

 

 

                

 

 

Na sala de aula

 

 

 

 

 

               

 

 

 

 

 

 

 

          

 

 

                     

 

 

 

 

 

 

 

             

 

 

 

 

                      

       

 

      

 

 

 

      

 

 

            

 

        

 

 

 

 

          

 

 

 

 

 

 

                       

 

 

 

 

 

                  

 

 

 

                  

 

 

 

          

 

 

 

                

 


idiofones
idiofones


 

 

BALAFON

Balafon

himbondeiro

improviso do vento

sobre as vozes um lamento

tua tribo

balanta, mandinga, cassanga

saraculé, sosso, fula

biafada

 

balafon

rua de pó

diamantes e medo

sentimento universal

tua tribo

balanta, mandinga, cassanga

saraculé, sosso, fula

biafada

 

balafon

bamileke

orquestra komenchang

Alto Volta não existe assim

o teu nome

mutondo, timbila, balangui

akadinda, rongo, dimba

dyomoro

 

balafon

bala sosso

niagassola, Guiné

é o balafon original

o teu nome

mutondo, timbila, balangui

akadinda, rongo, dimba

dyomoro

 

madeira seca sobre a chama

o orifício da cabaça

tapado com os furos

do ovo da aranha

ritmo de guerra, bikutsi

tocado com chocalhos

balafon e tambores

cantado por mulheres.

 

KASHACA

As meninas cuidam dos irmãos

mais novos

costume de outros povos

e para os distrair

para os fazer sorrir

brincam com kashacas

 

kasso kassoni

tchangot tche

no Benin

na Guiné

 

cabaça de swawa oca

uma na mão

outra voando louca

clique de percussão

 

em África instrumento

de meditação

ritual de purificação

asalato, kes kes

quantos nomes tu tens

patica no Japão

 

kasso kassoni

tchangot tche

no Benin

na Guiné

 

cabaça de swawa oca

uma na mão

outra voando louca

clique de percussão

 

XILOFONE

De origem grega

a palavra xilon

quer dizer madeira

xilofone é som de madeira

 

jacarandá, o melhor que há

pau-rosa, rosa que não tem

ipê, meu encontro com voçê

 

feito com cuidado

seco e afinado

com precisão

música do coração

 

gandingan a kayo

xilofone filipino

nas mãos do menino

o sol não quer partir, eu não saio

 

marimba e a timbila

xilofone de bambu pra mim

que veio lá de Ho Chi Min, Vietnam

 

lâminas de pedra

eu também já vi

thinguli

das ilhas de java e de bali

 

do fruto do coqueiro

faz xilofone bom

toca o dia inteiro

em África o balafon

 

o dia repartido em cores

a noite semeando estrelas

e o meu xilofone toca para elas.

 

MARACA

Que agitação

América Latina

som de areia grossa

som de areia fina

 

batida na perna

um brilho diferente

maraca de argila

rodá-la suavemente

 

maraca é palavra Tupi

e faz som de arranhar

meu coração espera por ti

pra dançar, pra dançar, pra dançar

 

que agitação

maraca de Maboque

com missangas dentro

missangas no toque

 

"agite as maracas"

Jamaica, Puerto Rico

Trinidad de estrelas

com duas eu fico

 

assom, tcha-tcha é no Haiti

alfandaque na Colômbia

nasisi é no Panamá

sonajas no México

chinchin na Guatemala

huada é o nome no Chile.

 

MBILA

Mbila dos Chopes

valimba dos Senas

almofada de capim

e as massalas

casca de fruto silvestre

que amor é para sempre

línguas bantu

Xitsonga, KiMwani

CiNyanja, eChuwabo

ekoti,Bitonga

 

mbila dos Chopes

património mundial

dia da vitória

as makokoma

teclas de madeira muhendje

o teu som é mesmo bué

o Mapico

dança só com tambores

Ligoma, NToji

Singanga, Likuti

 

mbila dos Chopes

Ben Mussa Mbiki

o teu nome é árabe

rio Zambeze

pintura em tecido, batik

alegria quer que eu fique

Inhambane

Sofala, Gaza, Tete

Zambesia

Nampula, Maputo

Niassa.

 

TAMBOR DE AÇO

Calipso

música quente

como o coração da gente

de Trinidad e Tobago

 

calipso

ritmo caliente

à flor da pele reluzente

como o mar, o rio, o lago

 

os negros da diáspora africana

criaram tambor de aço

a partir de velhos barris

hoje, a folha de metal é estirada

em forma de taça

processo chamado "afundar"

 

eu quero

fazer contigo

o que faz a primavera

às flores do campo e do jardim

 

teu corpo

mexe comigo

é alegria sincera

e sou mais feliz fora de mim

 

o tambor de aço

usado como forma de comunicação

entre os negros escravizados

com receio da rebelião

foi declarado ilegal

pelo governo colonial

 

eu quero

fazer contigo

o que o sol faz às cerejas

sonho a sonho pela vida fora

 

teus olhos

mexem comigo

quando os fechas e me beijas

e o mundo que se acaba agora

 

os europeus levaram o carnaval

mas os escravos do Caribe

não podiam participar

fizeram a sua comemoração

Canboulay

uma orquestra de frigideiras.

 

TEMPLE BLOCK

Bocas de dragão

ópera do Japão

a pegar fogo

ao coração

ao kimono

kabuki

Yoko Ono junto a ti

máscara, gueixa, kami

 

peixe de madeira

maré verdadeira

escamas douradas

na banheira

nado até à Coreia

levo paixão e meia

não me afogo

e amei-a

 

instrumento de fé

de religião

o povo reza de pé

o céu não é negro não

 

o timbre é oco

madeira esculpida

no meu sonho louco

louca é a vida.

 

AFOXÉ

Afoxé, afoxé, afoxé

fo significa dizer

afoxé, afoxé, afoxé

xe significa realizar

 

realizar o que se diz

anuncia e faz acontecer

música de ficar feliz

Ondina para te voltar a ver

 

afoxé

cabaça pequena

rede com bolinhas

contas, coisas minhas

tuas missangas

os gritos dos Ipirangas

 

luaê, luaê

ilê oya

tenda de Olorum

Filhos de Gandhi

 

afoxé

a dança cortejo

ruas da Bahia

meu sol, meu desejo

umbanda

e baianas na fotografia

 

 

SINOS

Nunca nos banhamos

outra vez no mesmo rio

tudo é impermanente

é calor, é frio

é margem, é distância

e de repente

podemos eliminar a ignorância

 

sino de cerâmica

sino de vidro

o meu coração não está perdido

sino liberdade

Liberty Bell

em Filadélfia, amor fraternal

 

saudade é lembrança

pode ser esperança

o toque do sino

amuleto da boa energia

simbolo da sabedoria

e um ritual

mantra, oração especial

 

Tsar Kolokol

no Kremlin de Moscovo

o sino toca, toca para o povo

sino medieval

da igreja de S. Pedro

está em Coruche, no Ribatejo.

 

 

SARON

A música da orquestra gamelan

canta como o rio para o barco

vou contigo para o mar

 

em espaços abertos para entrar

as nuvens que perseguem teus olhos

e de espanto o céu fica azul

 

a música da orquestra gamelan

tem poderes mágicos e pode

afastar os maus espíritos

 

em Bali, em Java, wayang kulit

marionetas de sombra

ensinam o sol a sorrir

 

a música da orquestra gamelan

hipnótica como o sonho

onde eu danço com a lua

 

baixo relevo de Borobudur

um silêncio de séculos

sem tempo de sucumbir

 

a música da orquestra gamelan

convoca todos os deuses

para aprender a ouvir.

 

 

SHEKERE

Shekere

cabaça seca

com pérolas tecidas

numa rede

shekere, shekere, shekere

 

shekere

cabaça seca

onde já matei a minha sede

shekere, shekere, shekere

 

axatse no Ghana

djabara na Guiné

guiro em Cuba

no Brasil afoxé

 

na Libéria a rede

tem uma cauda longa

para manipular as contas

do shekere

 

Libéria

é terra livre

fundada por escravos

americanos

libertos dos navios negreiros

 

capital

é em Monróvia

nome atribuído

em homenagem

ao quinto presidente da América

 

pimenta malagueta

pimenta da costa

assim chamada a Libéria

por ter os grãos do paraíso

 

a minha cançoneta

vai valer a aposta

acabar com a miséria

o que mais é preciso.

 

 

CAJON

De origem peruana

onde escravos africanos

proibídos pelos donos

de tocar instrumentos

se utilizaram de gavetas

para tocarem seus ritmos

património cultural do Peru

usado nas danças

tonderos, marineras

 

trazido para o flamenco

por Paco de Lucia

flamenco, Andaluzia

é a fusão das culturas

de ciganos, mouros, judeus

após a fuga à inquisição

com a vitória do exército

de Fernando segundo

de Aragão

 

flamenco significa

na sua origem árabe

camponês de passagem

ou camponês fugitivo

o flamenco acontecia

dentro de cafés cantantes

poeta Garcia Lorca escreveu

poema del cante jondo

romancero gitano

 

flamenco jondo é antigo

dança e sapateado

tem guitarra e cajon

castanholas e as palmas

flamenco tem vários ritmos

a que se chamam palos

malaguena, sevillana, soleá

tarantas, bulerias

tientos, calliano.

 

 

GONGO TIBETANO

A MONTANHA E O ESPIRITO

 

De manhã

na luz dos teus olhos

acordam os pássaros

 

de manhã

cavalos de vento

invadem teu despertar

 

a montanha acende o sol

encanto de minha alma

cores que a terra não tem

 

fim da tarde

reza a história

teus olhos guardam o céu

 

fim da tarde

mais uma lenda

no arco-íris surgiu

 

alguns lamas usam gongos

nos seus rituais secretos

e deslocam-se a outros mundos

 

é proibído

falar sobre os gongos

nos templos tibetanos

 

é segredo

que vem de longe

como os gongos são criados

 

é numa noite de estrelas

alquimistas e metais

nos abismos dos Himalaias.

 

 

TRÉCULAS

Tabuínhas de Barcelos

o som é colorido

e não engana

é como o teu olhar

divertido

em correrias

lua cigana

nas romarias

 

madeira dura que bate

uma na outra

tréculas ou tabuínhas

na semana santa

ladaínhas, ladaínhas

 

tabuínhas de Barcelos

o cantar dos galos

é que acorda o sol

altas horas, Alto Minho

verde folha, verde vinho

povo em festa

Deus não está sózinho

 

o meu coração que bate

na poesia

tréculas ou tabuínhas

nas tuas memórias

e nas minhas, e nas minhas.

 

ZILLS

Dançarina de cabaret

toca zills

de som mais delicado

corpo e música

esse encontro tão esperado

 

Sultan-Ahmet

melodia do real harém

dança do ventre

de mulher pra mulher

para entreter

as esposas e as concubinas

do sultão

e tu não podes ver

 

os tamanhos e formas 

dos zills

diferem no tom

na ressonância também

teus olhos nos meus

tudo o que é bom

 

Sultan-Ahmet

melodia do real harém

dança do ventre

de mulher pra mulher

para entreter

as esposas e as concubinas

do sultão

e tu não podes ver

 

em árabe chamados sajat

mil e uma noites

o Ali Baba.

 

CAXIXI

O que é que tem dentro?

sementes de beribá

sementes de tinquim

fazendo balançar

som seco e vegetal

som de arroz

som no centro cultural

água de beber

meus olhos não querem ver

teu pé pisar a bola

na dança teu agitar

tu és Congo-Angola

a lua de prata

em pranto

e tu chamas o santo

 

chocalho de cesto

que vem do berço africano

que vem do rio Kasai

marca o ritmo da vida

invoca o colégio

de todos os espíritos

protetores

linha do equador

floresta tropical

quem fala murukutuba

tem crença tradicional

no Congo-Brazzaville

capoeira de Angola

caxixi, Cabinda

Luanda.

GUIRO

De Cuba originário

antes da chegada dos espanhóis

já existia

seu som incendiário

sem guiro fica em maus lençóis

a cumbia

 

costuma ser tocado

pela mesma pessoa que canta

tua beleza

do fruto alongado

cabaça seca que me encanta

charanga acesa

 

guicharo em Porto Rico

que melhor não há

mais alegre eu fico

churuca no Panamá

guiro de salsa

guiro cubano

guiro realça

guiro todo o ano

 

movimento lento é grave

movimento rápido agudo

música bela

para a dança nenhum entrave

teu corpo, meu mundo, é tudo

só eu e ela

 

na Argentina villera

idiofone de raspagem

acentua

quem espera desespera

teu ritmo minha viagem

e tua

 

RANAT

O Ranat tem a forma

dos barcos de rio da Tailândia

a história soberana informa

seu nome Krap se perdeu um dia

 

era usado aos pares

para manter o ritmo no tempo certo

Tailândia de boas cores, bons ares

e muitos sorrisos sempre perto

 

terra do sorriso

mercado flutuante

tigre manso de Bangkok

o Buda deitado

o sonho gigante

O Ranat aperfeiçoa o toque

 

Ranat ek de madeira

pau rosa, mai ching chao se diz em thai

Ranat thum é bambu de primeira

marca no coração que nunca sai

 

Ranat ek lek é metal

Ranat kaeo é vidro a cantar

nos conjuntos piphat dou o  sinal

baqueta dura para rápido tocar

 

SHANTI ZAPHIR BELL

Os meus chakras, mundo silencioso

feng shui de meu corpo luminoso

meditação, a viagem sem destino

ao interior de mim, universo pequenino

sem ter fim

 

blue moon, twilight

sundance, sufi

so clear, so bright

poem inside me

 

shanti zaphir, terapia do som

carrilhão de relaxamento bom

crystalide, o acordar da natureza

manhã de cristal conduz meus olhos na beleza

natural

 

blue moon, twilight

sundance, sufi

so clear, so bright

poem inside me

 

raio de sol, o verão divertido

crepúsculo de outono colorido

dança em espiral, livre de pensamento

lua azul, Nilo azul, inverno sem lamento

céu azul

 

blue moon, twilight

sundance, sufi

so clear, so bright

poem inside me